Capítulo 12



TAO TE CHING
O Livro do Caminho e da Virtude
Lao Tse, o Mestre do Tao


Interpretação de Janine Milward

A tradução dos Capítulos do Tao Te Ching foi realizada por Wu Jyh Cherng,
do chinês para o português
e foi primeiramente publicada pela Editora Ursa Maior
e hoje é publicada pela Editora Mauad, São Paulo.
Na Editora Mauad, São Paulo, Brasil,
encontra-se  a realização da publicação
das interpretações de Wu Jyh Cherng
acerca os 81 Capítulos da obra máxima de Lao Tse, o Tao Te Ching


Capítulo 12

As cinco cores tornam os olhos do homem cegos
As cinco notas tornam os ouvidos do homem surdos
Os cinco sabores tornam a boca do homem insensível
Carreiras de caça no campo tornam o coração do homem enlouquecido
Os bens de difícil obtenção tornam a caminhada do homem prejudicada

Por isso, o Homem Sagrado se realiza pelo ventre e não pelo olho
Assim, afasta este e escolhe aquele


Interpretação

Janine Milward

Neste Capítulo, Lao Tse nos ensina sobre o Mundo da Manifestação e o Mundo da Não-Manifestação.

Ele nos diz que tudo aquilo que existe no Mundo da Manifestação é importante sim, porém não deve ser a única importância na vida do homem. E mais ainda, não deve ser considerado importante mesmo...

O Mundo da Manifestação existe fundamentalmente para que o homem tenha a oportunidade de se tornar Homem Sagrado. Luz é matéria e é na matéria, dentro da materialização do Mundo da Manifestação que a Alquimia do Caldeirão pode acontecer, ou seja, o homem tornar-se Homem Sagrado através do Caminho da Iluminação e do Caminho da Imortalidade ou Liberação.

Assim, mesmo pertencente ao Mundo da Manifestação e colhido por suas belezas e benesses.... o homem não deve se desviar de seu Caminho, não deve prejudicar sua caminhada.

O Mundo da Manifestação é de uma beleza incomparável, não é mesmo? Porém, esse mundo preenche nossos olhos e nosso coração por ser o mundo que vemos, que ouvimos, que tocamos, que desejamos, que saboreamos, que lutamos, vencemos e perdemos.

As cinco cores tornam os olhos do homem cegos
As cinco notas tornam os ouvidos do homem surdos
Os cinco sabores tornam a boca do homem insensível
Carreiras de caça no campo tornam o coração do homem enlouquecido
Os bens de difícil obtenção tornam a caminhada do homem prejudicada

O Mundo da Não-Manifestação não pode ser visto, nem ouvido, nem tocado, nem desejado, nem saboreado, nem lutado, vencido ou perdido. Ele apenas é. Ele está além do Mundo da Manifestação e não pode ser percebido ou sentido ou compreendido através da linguagem ou da compreensão que trabalha no mundo da manifestação.

Por isso, Lao Tse nos diz

Por isso, o Homem Sagrado se realiza pelo ventre e não pelo olho
Assim, afasta este e escolhe aquele

O olho significa o Mundo da Manifestação, o mundo do visível. O ventre significa o Mundo da Não-Manifestação, o mundo do não-visível.

O ventre é o lugar interior que abriga o Ch'i, a energia do Tao da Criação. É o lugar da ligação entre o homem do Mundo da Manifestação com o Homem do Mundo da Não-Manifestação.

O Ch'i, a energia do Tao da Criação, entra e sai de nosso corpo através, fundamentalmente, da expansão da consciência realizada através do ato da Meditação contínua.

Na meditação, a respiração deve ser bastante profunda e tranqüila, passando pelas narinas e indo até o ventre, o lugar interior que abriga o Ch'i. E, na meditação, estamos de olhos fechados, semi-cerrados, voltados para dentro, abrindo espaço para o terceiro olho, o Ajna Chacra, o Chacra do Conhecimento.

Lao Tse, no Capítulo 5, nos fala sobre a energia do Ch'i na meditação:

O espaço entre o céu e a terra assemelha-se a um fole
É um vazio que não distorce
Seu movimento é a contínua criação

A contínua criação é a Alquimia do Caldeirão conseguida através da Meditação. Primeiramente, o homem senta em sua tranqüilidade, cerra os olhos para o mundo externo e volta-se para seu mundo interior através da respiração que une o homem ao céu e à terra pelo Ch'i. A respiração é considerada o Sopro Primordial, a Alma, que deverá ser fusionada ao Espírito, à Consciência para em sua fusão fazerem nascer o Elixir da Vida que proporciona o mergulho na verdadeira meditação. O Elixir da Vida garante a Fixação do estado da meditação. Após isso, o homem passa por uma série de questões que vão se apresentando ao longo do processo contínuo do ato de meditar cotidianamente: no Caminho do Caminhante surgem as ilusões, desilusões, cansaço, falta de perseverança, encontros e desencontros, as Rodas do Moinho..... Para tanto, o tempo e a perseverança são importantíssimos
As Rodas do Moinho são energias que vão limpando todo o corpo físico, aprontando o homem para sua limpeza profunda e seu recebimento da Iluminação da Consciência, a mente infinitizada.

Assim, primeiramente dentro da Alquimia do Caldeirão, para ser alcançado o estado de Iluminação, é preciso fechar a porta do Mundo da Manifestação e deixar-se ingressar no Mundo da Não-Manifestação, ou seja, realizar-se pelo ventre e não pelo olho....

Por isso, o Homem Sagrado se realiza pelo ventre e não pelo olho
Assim, afasta este e escolhe aquele

A segunda etapa da Alquimia do Caldeirão - e a mais difícil a ser alcançada - é a Imortalidade ou Liberação. Para tanto, o Homem Sagrado deverá abandonar plenamente sua atenção para os chamamentos do olho, do Mundo da Manifestação. A verdadeira Alquimia do Caldeirão - entendendo-se Caldeirão como o corpo físico a ser transmutado em Corpo de Luz - só pode acontecer dentro do Mundo da Não-Manifestação trabalhado pela Consciência Iluminada no Mundo da Manifestação.

Lao Tse nos diz, então, que a escolha do Homem Sagrado é pelo ventre e não pelo olho. Ele afasta o Mundo da Manifestação e escolhe o Mundo da Não-Manifestação. Ele afasta o desejo e suas multiplicidades de manifestações e escolhe o não-desejo em sua unicidade.
..............

O Mundo da Manifestação é para ser vivido em sua plenitude, certamente. Porém, é sempre bom lembrarmos que Luz é matéria e estamos encarnados no Planeta Terra fundamentalmente para aqui podermos processar nosso corpo materializado, o corpo físico, em Corpo de Luz.
...................

TAO TE CHING
O Livro do Caminho e da Virtude
Lao Tse, o Mestre do Tao
Capítulo 12

Interpretação de Janine Milward

A tradução dos Capítulos do Tao Te Ching foi realizada por Wu Jyh Cherng,
do chinês para o português
e foi primeiramente publicada pela Editora Ursa Maior
e hoje é publicada pela Editora Mauad, São Paulo.
Na Editora Mauad, São Paulo, Brasil,
encontra-se  a realização da publicação
das interpretações de Wu Jyh Cherng
acerca os 81 Capítulos da obra máxima de Lao Tse, o Tao Te Ching


A ponte bucólica e impressionista é uma foto realizada no Sítio das Estrelas, por Janine Milward