Capítulo 14



TAO TE CHING
O Livro do Caminho e da Virtude
Lao Tse, o Mestre do Tao

Capítulo 14

Interpretação de Janine Milward

A tradução dos Capítulos do Tao Te Ching foi realizada por Wu Jyh Cherng,
do chinês para o português
e foi primeiramente publicada pela Editora Ursa Maior
e hoje é publicada pela Editora Mauad, São Paulo.
Na Editora Mauad, São Paulo, Brasil,
encontra-se  a realização da publicação,
das interpretações de Wu Jyh Cherng
acerca os 81 Capítulos da obra máxima de Lao Tse, o Tao Te Ching

Capítulo 14

Aquilo que se olha e não se vê, chama-se invisível
Aquilo que se escuta e não se ouve, chama-se inaudível
Aquilo que se abraça e não se possui, chama-se impalpável

Estes três não podem ser revelados
Por isso se fundem e se tornam um
Enquanto superior não é luminoso
Enquanto inferior não é vago

O Constante que não pode ser nomeado
É o retorno à não-existência
É a expressão da não-expressão
É a imagem da não-existência
A isso se chama indeterminado

Encarando-o, não se vê sua face
Seguindo-o, não se vê suas costas

Quem mantém o Caminho Ancestral
Poderá governar a existência presente
Quem conhece o Princípio Ancestral
Encontrará a ordem do Caminho


Interpretação


Janine Milward


Este é um Capítulo que trata essencialmente do Céu Anterior, do Mundo da Não-Manifestação, do Tao da Criação que cria e gera o Céu Posterior, o Mundo da Manifestação, a Criação do Tao.

Aquilo que se olha e não se vê, chama-se invisível
Aquilo que se escuta e não se ouve, chama-se inaudível
Aquilo que se abraça e não se possui, chama-se impalpável
Estes três não podem ser revelados
Por isso se fundem e se tornam um
É sempre importante lembrarmos que o Mundo da Manifestação é tudo aquilo que pode ser nomeado enquanto o Mundo da Não-Manifestação - que dá berço à Manifestação - não pode ser nomeado, nem definido, nem objetivado. Assim, Lao Tse nos diz que este Mundo é invisível, inaudível, impalpável.... e que não pode ser revelado e, por isso mesmo, ao se fundirem e se tornarem um, é possível de ser acessado através da Meditação - o doce momento da interiorização absoluta, o retorno à Fonte Primordial, à fusão com o Tao do Céu Anterior.


Na Meditação - bem ao contrário do que se normalmente pensa - não devem existir momentos de percepção de grande luz nem momentos de percepção do grande vazio. Enquanto existirem 'percepções', estaremos ainda atados ao Céu Posterior, ao Mundo da Manifestação!

Por isso, Lao Tse nos avisa:

Enquanto superior não é luminoso
Enquanto inferior não é vago

Lao Tse segue nos falando sobre o Céu Anterior, chamando-o de 'O Constante que não pode ser nomeado'... 'O Constante' é o Absoluto, o Tao do Princípio Primordial que faz nascer o próprio Céu Anterior.

Na vida, tudo se apresenta como um ciclo. Também O Constante é Aquele que unicamente não se inclui em qualquer ciclo - ele apenas é o Princípio Primordial, aquele que dá berço a todos os ciclos. Dentro de todas as mutações, O Constante é aquilo que é a própria Não-Mutação. E sempre, sempre, todos os ciclos acabam por retornar a esse Constante. E O Constante, por pertencer ao Céu Anterior, não pode ser nomeado e por isso se chama 'indeterminado'.

O Constante que não pode ser nomeado
É o retorno à não-existência
É a expressão da não-expressão
É a imagem da não-existência
A isso se chama indeterminado
Sendo indeterminado - e pertencendo ao Mundo da Não-Manifestação, Lao Tse nos alerta:


Encarando-o, não se vê sua face
Seguindo-o, não se vê suas costas

Finalmente, Lao Tse termina seu Poema nos aconselhando a sempre permanecermos nas margens entre o Mundo da Manifestação e o Mundo da Não-Manifestação, ou seja, a desenvolvermos nossa Consciência Iluminada e Infinita .... aquilo que nosso Mestre chama de 'Caminho Ancestral'.

Quem mantém o Caminho Ancestral
Poderá governar a existência presente

Ao mantermos nosso Caminho Ancestral, estaremos plenamente conscientes em relação à nossa vida do aqui e agora. É sempre nessa nossa vida do aqui-e-agora que poderemos aprender a queimar todos os nossos Karmas - ações passadas e presentes e possivelmente futuras - desenvolvendo nossa consciência e agindo com naturalidade em relação aos fatos da vida a serem vivenciados com a plenitude de nossa consciência.

Dessa forma, as reações e possíveis reações às nossas ações - os Samskaras criados a partir de nossos Karmas - poderão ser totalmente eliminados.... nos tornando aquilo que se chama, no Tantra Primordial de 'Sementes Queimadas' - Dagdabiija -, ou seja, ações conscientes que não mais criam reações chamadas de negativas, apenas positivas.

Quem conhece o Princípio Ancestral
Encontrará a ordem do Caminho.

Governando - através da plenitude da consciência e da ação correta - a existência presente dentro do Caminho Ancestral - ou Princípio Ancestral - nos colocamos no Caminho da Imortalidade ou Liberação, com Consciência Iluminada e Infinita bem como com Vida Iluminada e Infinita - plenamente fusionados ao Tao da Criação, enlaçados iluminadamente e infinitamente com o Céu Anterior e o Céu Posterior. Isso é encontrar a ordem do Caminho.

...........................

TAO TE CHING
O Livro do Caminho e da Virtude
Lao Tse, o Mestre do Tao

Capítulo 14

Interpretação de Janine Milward

A tradução dos Capítulos do Tao Te Ching foi realizada por Wu Jyh Cherng,
do chinês para o português
e foi primeiramente publicada pela Editora Ursa Maior
e hoje é publicada pela Editora Mauad, São Paulo.
Na Editora Mauad, São Paulo, Brasil,
encontra-se a realização da publicação
das interpretações de Wu Jyh Cherng
acerca os 81 Capítulos da obra máxima de Lao Tse, o Tao Te Ching